English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
Links Brasil Net

Tudo sobre as obras de J.R.R.Tolkien!

...pedo mellon a minno...


Arquivo do blog

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

As Duas Torres, laços são formados decisões tomadas!



Fortemente criticado devido ao seu título, o filme teve sua estreia na mesma época do atentado as Torres Gêmeas do World Trade Center, 11 de setembro de 2001, chegando a ser cogitada a mudança do título, contudo o diretor Peter Jackson afirmou que “uma mudança como essa os fãs iriam matá-lo”.
O resultado de sua decisão venho em forma de premiações, como Oscar de Edição de Som e Efeitos Visuais, ganhou dois prêmios no BAFTA, nas categorias Melhor Figurino e Melhores Efeitos Especiais, ganhou quatro prêmios no MTV Movie Awards, nas categorias Melhor Filme, Melhor Equipe, Melhor Cena de Ação e Melhor Interpretação Virtual, recebeu ao total quarenta e um prêmios e inúmeras indicações em vários festivais.
     O segredo de todo este sucesso, a obra em si de Tolkien, a base de toda produção, a história do Anel, que neste segundo filme teve sua continuação, os companheiros são separados e a Sociedade do Anel se divide, as aventuras são maiores e mais ameaçadoras para todos, a Guerra tem seu início, e agora Frodo e Sam estão sozinhos, Aragorn e o que sobrou da comitiva vão ao resgate a Merry e Pippin, e novos personagens surgem em seus caminhos, entre eles Theóden o rei de Rohan, lar dos senhores dos cavalos, e de Éowyn e seu irmão Éomer sobrinhos do rei.

     Após serem levados pelos orcs Merry e Pippin são contemplados com uma inesperada ajuda, conseguindo escapar do exército de Sauron, os dois hobbits se escondem na floresta de Fangorn, lar dos Ents, onde conhecem Barbárvore, um pastor da floresta, uma árvore que fala e anda, e cuja amizade misteriosa com o Mago Branco faz de Merry e Pippin seus protegidos.
        Enquanto isso, bem distante dali, Frodo e Sam são vigiados por Gollum, que tenta tomar o seu precioso novamente, mas é descoberto e pressionado a ajudar os hobbits. Jurando sobre o próprio anel, ele levaria Frodo e Sam até o Portão Negro, começava ali uma viagem perigosa entre montanhas e pântanos, com a suspeita por parte dos hobbits com relação à fidelidade de Gollum.
    É neste momento da jornada que as decisões são tomadas, a destino do anel começa a se estabelecer, sem saber ainda Gollum fará parte do futuro da Terra Média, mesmo contra sua vontade, sua ajuda guiando os pequenos hobbits mostrará que até seres improváveis podem mudar o curso da história, pois talvez sem ele não teriam chegado tão perto de Mordor, ou ainda, jamais teriam encontrado um caminho para as Fendas da Perdição, nas profundezas de Orodruin, Sméagol apesar de ter seus conflitos e lutar contra seus lado sombrio, manteve ao final sua promessa, toda sua trajetória só mostrou que a frase que Gandalf um dia disse à Frodo, realmente teve sentido, “...muitos que vivem merecem a morte. E alguns que morrem merecem viver. Você pode dar-lhes vida? Então não seja tão ávido para julgar e condenar alguém à morte. Pois mesmo os muito sábios não conseguem ver os dois lados...Meu coração me diz que ele tem ainda algum tipo de função a desempenhar, para o bem ou para o mal, antes do fim,...”
      Todos tiveram seu papel a cumprir, mas jamais imaginariam que pequenos hobbits do Condado mudariam o destino de tantas pessoas grandes, Merry e Pippin provaram que são bravos e leais aos amigos, a vontade de ajudar levou os dois a enfrentarem seres além de suas forças, tudo pela amizade e amor, uma palavra determinante para a vitória final, o amor uniu a todos os membros da comitiva, e assim a vontade de derrotar o mal que os ameaçava era maior que o medo da derrota.

  
 A Batalha pelo Abismo de Helm é um exemplo disso, todos que ali estavam tinham um único objetivo, preservar as vidas de seus amados, suas esposas, filhos, mães, amigos, a determinação em superar os inimigos que os ameaçavam era tamanha que, apesar de em alguns momentos sentirem que não havia vitória para tanta maldade, sempre havia uma palavra amiga para fortalecer suas vontades, encorajar a não desistir, como Aragorn o fez ao rei Theóden, antes do final, dando de si a força para continuar.
   Sempre em todas as pequenas e grandes histórias que costumamos ler, procuramos pela moral ao final da narração, o que significou tudo que nos foi contado, o que a história queria passar, o que sentimos ao terminar a leitura, e será que isso poderia ser aplicado as nossas vidas, se soubermos interpretar com cuidado, sim, a mensagem é clara, “permaneçam no caminho correto, não desistam de fazer o bem, o amor sempre vencerá, nos momentos em que a escuridão tomar suas vidas sempre haverá uma luz acima das montanhas para iluminar seu caminho!”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget